Em Coimbra, a maioria das construções de qualquer época, bem como muitas esculturas e retábulos que o passado nos legou, são feitos de pedra calcária. É fácil perceber porque isso acontece se pensares que os transportes no passado eram escassos, lentos e dispendiosos. Os construtores, e os escultores, tinham por isso de recorrer à utilização da pedra local. Em muitos monumentos da cidade, como o criptopórtico romano do Museu Nacional de Machado de Castro, a pedra - um calcário muito amarelo e poroso, típico de Coimbra - foi extraída no próprio local da obra. Na região de Portunhos, Ançã e Outil exploraram-se pedreiras donde se retirava uma pedra homogénea, e de cor clara, usada em esculturas, retábulos e monumentos como a fachada da Igreja de Santa Cruz e a Porta Especiosa da Sé Velha. O calcário é formado, essencialmente, por uma substância chamada carbonato de cálcio, ou calcite, que pode ter origem biológica ou química.

Vem perceber como se forma quimicamente o calcário.