Embora sejam vários os factores que contribuem para a degradação das esculturas em pedra, ou dos monumentos, os ácidos ocupam um lugar de especial relevo. Não só pela sua agressividade, mas também pelo facto de existirem em grandes quantidades nos ambientes poluídos das cidades e nos dejectos de alguns animais, micro e macroscópicos, que colonizam os monumentos.

Certamente já ouviste falar da chuva ácida e em como ela é perigosa para a pedra. Se pensares bem quantas vezes já encontraste esculturas nas fachadas dos monumentos, ou em jardins, num estado tão avançado de degradação que a sua superfície original se perdeu e a pedra que está à vista se desagrega em pó?

Queres vir perceber se uma substância é um ácido (como o limão e o vinagre), uma base (como a pasta dos dentes e alguns produtos de limpeza) ou nenhuma das duas e qual a importância disso para a preservação das obras de arte?

Queres aprender a identificar as substâncias calcárias e a experimentar como os ácidos as dissolvem, compreendendo porque é necessário evitar a contaminação da atmosfera e a colonização biológica das obras de arte?