Conhecido como escultor de Lisboa, Machado de Castro é todavia natural de Coimbra, à qual deveu, além do berço, a formação humanista que recebeu dos Jesuítas. Esses valores, bem como a aptidão para a arte que descobriu com seu pai, Manuel Machado Teixeira, mestre de nome na cidade, e o contacto direto com o italiano Alessandro Giusti, fizeram dele o maior e mais culto dos escultores portugueses do seu tempo.

Joaquim Machado de Castro

Machado de Castro repôs a tradição da escultura em pedra, numa época em que em Portugal predominava a escultura em madeira, e corporizou um grande esforço no sentido da dignificação da escultura e do seu ofício. Foi o primeiro escultor português a escrever sobre escultura e traçou as coordenadas essenciais de uma metodologia: toda a obra deve começar por um projeto, com elaboração de desenho e modelo, antecedendo a execução.

Descripção analytica da execução da estatua equestre erigida em Lisboa à glória do Senhor Rei Fidelissimo D. José I

Da sua vasta produção destacam-se, além dos trabalhos que executou, diversos estudos, desenhos e modelos preparatórios, e uma obra literária ímpar: escritos e teorizações sobre escultura que reafirmam constantemente o seu caráter intelectual.

Da sua significativa produção escrita destacamos as seguintes obras:

Carta, que hum affeiçoado às artes do desenho escreveo a hum alumno de escultura… (1780);

Discurso sôbre as utilidades do desenho (1788): Ver mais

Descripção analytica da execução da estatua equestre erigida em Lisboa à glória do Senhor Rei Fidelissimo D. José I , ( 1810): Ver mais

Dicionário de escultura (1850) [edição póstuma]: Ver mais