Esta Cavalgada representa o cortejo dos Magos, e é um fragmento do presépio do Convento da Madre de Deus, em Lisboa, criado por António Ferreira. Inicialmente produzidos em Lisboa, em oficinas de escultores de nomeada, os presépios destinavam-se à família real, a casas religiosas de prestígio, membros da corte e nobres. O séc. XVIII revelou-se o século de ouro dos presépios. Escalonado e perspetivado, agrupa quatro núcleos fundamentais da narrativa cristã, representada em figuras de tamanho hierarquizado: a gruta com a Sagrada Família e os animais; os pastores e doadores; os Reis Magos; o pitoresco dos costumes populares, num género bem naturalista ou “pastoril”, assim designado por Machado de Castro. O seu culto e consequente popularização, conduzem ao aumento da produção e ao aparecimento de oficinas secundárias que copiam e reproduzem os modelos dos escultores.